Babosa da cabeça aos pés

7bd52aa5-0302-4db2-ae48-5bd487da16b0.JPG
 

Esta história começa com uma folha de aloe vera, ou babosa, para os íntimos. Da espécie das suculentas, essa planta é usada no tratamento da saúde e cuidados do corpo, com registros datados de 2.200 a.C. Com propriedades anti-inflamatórias, calmante e cicatrizante, a aloe também é aplicada como cosmético por estimular a síntese de colágeno e elastina - função descoberta no antigo Egito por rainhas como Cleópatra. Além destas evidência, segundo a medicina Ayurveda, as plantas que possuem quatro sabores são raras e consideradas extremamente medicinais. E Aloe Vera contém os quatro sabores; doce, amargo, azedo e adstringente.

Toda essa riqueza natural foi parar nas mãos de Larissa Pessoa, Rodrigo Lanhoso e Nathália Gori, que ganharam uma muda de babosa de presente. Esse simples ato deu um novo sentido à vida dos três amigos que, há três anos, criaram a marca AhoAloe de cosméticos naturais. Mas antes disso, tiveram que revolver a terra e semear um sonho.

Foto: Leonardo Sang / Casa Dobra

Foto: Leonardo Sang / Casa Dobra

Em 2010, o trio começou a cultivar uma plantação de babosa em Bragança Paulista (SP). Desde então, o projeto foi enraizando e crescendo regado pela vontade de se reconectar com a natureza. “E de trazer à tona a sabedoria nativa, como a ancestralidade e o poder dos rituais”, complementa Nathália.

Hoje, a AhoAloe tem uma linha com 20 produtos para cuidados com a pele e cabelos. Todos veganos e não testados em animais, vendidos no site da marca, no nosso MERCADO MANUAL e em outros espaços da capital paulista. Nesta entrevista, Nathália nos conta um pouco sobre como foi este percurso:


Além da vontade de se reconectar com a sabedoria da natureza veio a vontade de também trazer à tona a sabedoria nativa


Foto: Leonardo Sang / Casa Dobra

Foto: Leonardo Sang / Casa Dobra

Quando e como surgiu a AhoAloe?
Em 2010, começamos nossa própria plantação. A plantação é próximo de Bragança em uma represa maravilhosa. No momento não estamos abrindo ao público para visitação, mas garanto que é maravilhoso. E em 2016 encontramos a indústria Riquezas da Terra com princípios que eram os mesmo que os nossos. A ideia de produzir os cosméticos naturais veio junto com um grande amigo que trouxe uma muda da Babosa e também a ideia de difundir os benefícios da planta através de uma linha de cosméticos naturais. Além da vontade de se reconectar com a sabedoria da natureza veio a vontade de também trazer a tona a sabedoria nativa, como a ancestralidade e o poder dos rituais. Por isso o nome AhoAloe. Aho, é uma forma entre os nativos norte-americanos de demonstrar consentimento com algo que algum outro integrante daquele momento de roda, ou encontro, trouxe a tona, e Aloe é o nome da planta, da Babosa, assim, AhoAloe.

E o que vocês faziam antes de se dedicar a AhoAloe?
O Rodrigo trabalhava no mercado financeiro, a Larissa teve por cinco anos uma empresa de construção e marketing esportivo, e eu tinha uma marca de produtos naturais artesanais.

Como é a gestão do negócio?
A empresa tem uma ética interna de que o trabalho se torna um prazer. Todos aqui amam o que fazem, cada qual com sua função, o que torna a dinâmica bem natural e harmoniosa. Existem os procedimentos internos necessários para a venda, pedidos e divulgação, como em qualquer outra empresa. Acredito que o aspecto positivo é acreditar que nosso trabalho é algo do que nos orgulhamos e que fazemos com alegria.


Acredito que uma relação direta com os clientes é uma das melhores formas de se manter criativo


ce9375f1-870a-436c-be31-b4707bf6756c.JPG

Quem é o público que compra os produtos da AhoAloe?
O público hoje em dia é muito mais diverso que antes. Temos em sua maioria mulheres, mas estamos investindo na linha masculina. Hoje em dia temos, por exemplo, muitos jovens que se interessam pelo shampoo sólido, e as mulheres na faixa dos 35 anos amam as manteigas corporais. Já as famílias optam pela linha de shampoo e condicionador. Vendemos para todo o Brasil e estamos começando a exportar.

De que forma vocês alimentam a criatividade neste fazer manual?
Acho que tudo vem com muita naturalidade: as necessidades vêm de acordo com a demanda. Não existe uma fórmula pronta. Todos somos curiosos e estamos constantemente observando as novidades do mercado, as tendências e os feedback dos nossos produtos. Acredito que uma relação direta com os clientes é uma das melhores formas de se manter criativo. Sempre buscamos escutar o que os clientes e amigos sugerem para novas ações e produtos.

WhatsApp Image 2019-07-05 at 08.50.12.jpeg

Quais são os maiores desafios de ter um projeto manual e autoral?
Como qualquer pequena empresa muitas vezes, por exemplo, para uma determinada embalagem, ou matéria prima, o pedido mínimo é muito grande. Assim, temos sempre que buscar alternativas que se enquadrem em nossa demanda. Ser pequeno sempre exige muita dedicação. A empresa é um filho que precisa de muita atenção.

E quais são os sonhos que vocês ainda querem realizar?
Temos vários, mas é segredo! Hoje a nossa maior ambição é seguir disseminando a conscientização quanto a melhores escolhas de produtos para cada um como indivíduo e para o meio ambiente.


A nossa maior ambição é seguir disseminando a conscientização quanto a melhores escolhas de produtos para cada um como indivíduo e para o meio ambiente


Texto: Maju Duarte
Fotos: Leonardo Sang / Casa Dobra e AhoeAloe