Núbia Maciel Trio

 

Para a apresentação no Mercado Manual, Núbia Maciel, cantora do grupo Samba de Rainha, apresenta seu trabalho autoral. No show, Núbia toca também em algumas músicas ukulele e será acompanhada pelo violonista José Renato Salomão e pelo percussionista Wellington Sancho.

No repertório, além de composições próprias que integram os discos “Contrariando a Regra” do Samba de Rainha e de seu primeiro trabalho solo “Uma Qualquer”, Núbia fará releituras de clássicos como Reconvexo, Frevo Mulher e Mineira, sucesso na voz de Clara Nunes, uma de suas maiores influências.

Núbia Maciel é vocalista do Samba de Rainha, grupo de samba paulistano formado por mulheres. Em 14 anos de carreira, o Samba de Rainha já fez milhares de shows, incluindo turnê em Portugal, Londres e na sede da ONU em Genebra, representando o Brasil. Com o grupo integrou a trilha sonora da novela O Astro, onde fizeram uma participação e recebeu elogio de importantes críticos de música, como Patrícia Palumbo, Pedro Alexandre Sanches, Fabian Chacur e Robin Desenlow (The Guardian).

Em 2011, Núbia Maciel inicia sua carreira solo e monta o grupo Os Divinos para acompanhá-la. Em 2014, lançou seu primeiro disco solo Uma Qualquer.

Formação: Núbia Maciel (voz e ukelele), José Renato Salomão (violão) e Wellington Sancho (percussão).
 

Sábado, 2/9 - 13h15

Entrada Franca

 

isadora canto

 

Com a proposta de cantar sobre as descobertas naturais dos pequenos, show minimalista de Isadora Canto traz o mais recente trabalho, Vida de Criança, continuidade ao projeto Vida de Bebê, disco lançado em 2007, que canta o vínculo de amor entre a mãe e filho desde a gestação até às primeiras experiências pós-nascimento, e que concorreu ao Grammy de Melhor CD de Música Infantil.

Em Vida de Criança (2016), Isadora mergulha no universo dos pequeninos que saíram das barrigas das mães e tomaram conta do mundo com suas descobertas e deslumbramentos. O disco, feito para pais e filhos ouvirem juntos, traz a preocupação de Isadora em não superestimular os pequeninos com muitas cores, barulhos e excessos.

Na contramão dessa tendência, suas músicas refletem sobre o contato dos pequeninos com os sons da natureza, os brinquedos artesanais, o reconhecimento do próprio corpo e outras sensibilizações mais naturais e espontâneas. No disco, Isadora conta com participação de Tulipa Ruiz e Paulo Tatit. As composições são suas com a participação do parceiro de composições Márcio Arantes, que também é produtor do disco. Destaque quando Isadora apresenta "Bailarina" canção inédita , uma bailarina desconstruída, à lá Tim Burton (referência ao cineasta norte-americano).

Professora de canto há mais de vinte anos, encabeça projetos relevantes na área musical e da maternidade, como o Materna em Canto, coral com mais de trinta mães que cantam com e para seus filhos e o Projeto Acalanto, vivência musical criada para gestantes que já está presente em mais de vinte locais no Brasil. Mãe desde os vinte anos, Isadora cresceu cercada por música e natureza, criando assim a combinação que desencadeia os temas das suas músicas: a maternidade e a opção de deixar as crianças crescerem de maneira mais orgânica, sem bombardeios da indústria.
 

Sábado, 2/9 - 15h30

Entrada Franca

 

silibrina

 

Sonoridade dançante, num show repleto de brasilidade, jazz e improvisos. Depois de um ano de atuação com apresentações no Auditório Ibirapuera, FAM 2016, JazzB, Jazz nos Fundos e Teatro Brincante, a banda de jazz brasileiro Silibrina, liderada por Gabriel Nóbrega, filho do multiartista Antonio Nóbrega, lança seu primeiro álbum: ‘O Raio’.

São nove composições originais, todas repletas de brasilidade e improvisos. Gabriel Nóbrega, que além de pianista assina as composições e arranjos do septeto, é acompanhado por Ricardinho Paraíso no baixo, Jabes Felipe na bateria, Matheus Prado na percussão, Wagner Barbosa no saxofone, Natan Oliveira no trompete e Raphael Braga na guitarra — músicos de referências diversas, vindos de diferentes regiões do Brasil e extremamente atuantes na cena musical paulistana.

Formação: Gabriel Nobrega (piano), Natan Oliveira (trompete), Wagner Barbosa (saxofone), Raphael Braga (guitarra), Ricardinho Paraíso (baixo), Luciano Fagundes (percussão) e Jabes Felipe (bateria).
 

Sábado, 2/9 - 18h

Entrada Franca

 

carol panesi

 

O grupo da multi-instrumentista, compositora e arranjadora carioca Carol Panesi vem se destacando na cena da música autoral, sendo finalista do  Samsung E-Festival Instrumental. Carol Panesi que integrante por 13 anos do "Itiberê Zwarg & Grupo", tem como formação a música universal difundida pelo Hermeto Pascoal, que sem preconceito engloba todos os estilos

Como compositora, tem ganhado cada vez mais notoriedade, participando de Festivais como: Festival internacional de compositoras SONORA, semifinalista do Festival das Rádios MEC e Nacional na categoria Melhor Música Instrumental.

O repertório, autoral, não se prende à um único estilo musical, englobando frevo, forró, jazz, música contemporânea, canção… Entremeados de rebuscados arranjos, o show conta com improvisos virtuosos dos instrumentistas expoentes da nova geração.

Formação: Carol Panesi (violino e voz), Salomão Soares (piano e sanfona), Jackson Silva (contrabaixo), Guegué Medeiros (bateria)

carolpanesi.com | facebook.com/carolpanesioficial | youtube.com/user/carolpanesi | soundcloud.com/carol-panesi/sets/carol-panesi-grupo

Domingo, 3/9 - 13h

Entrada Franca

 

poin

POIN.jpg
 

Trabalho desenvolvido pelos integrantes da Cia Cabelo de Maria, a Pequena Orquestra Interativa, POIN, é um grupo musical que tem como principal característica a interatividade com o público, que é incluído de diferentes formas em todos os números musicais instrumentais apresentados. No repertório, sonoridades que misturam músicas dos balcãs, música klesmer, valsas malucas e música cigana.

A apresentação da POIN propõe uma viagem pelo universo da linguagem musical. A cada tema, as pessoas são convidadas a participar do espetáculo juntamente com os artistas, explorando ritmo, afinação, coordenação motora e memória. Há momentos em que todos devem emitir sons desafinados, participar de uma pequena partitura de percussão corporal para acompanhar a melodia, ou cantar a marcação rítmica de uma composição. Em cada número, uma nova surpresa para a plateia, e a diversão está garantida!

Concepção direção musical, composições e arranjos – Gustavo Finkler

Renata Mattar (sanfona e regência do público), Gustavo Finkler (violão e regência do público), Micaela Nassif (violino), Mateus Mapa (flauta e flautim), Renato Farias (sousafone), Dani Zulu (percussão e regência do público) e Gustavo Souza (percussão). Figurinos: Renata Mattar

 

Domingo, 3/9 - 15h30

Entrada Franca

 

yannick Delas

 

Yannick Delass é a música e a vida migrante. Compositor, cantor e guitarrista original da República Democrática do Congo com cidadania são tomense (São Tomé e Príncipe), o artista sedimentou sua sonoridade plural e aguerrida não só nas suas pátrias, mas também em trânsito pelo Gabão, África do Sul, Indonésia, Cabo Verde e Brasil. Sua música caracteriza-se por uma voz reluzente e ancestral que conflui e se entrelaça com a diversidade e rítmica da África contemporânea.

Nascido em Kinshasa, Delass se iniciou na música aos 7 anos em coral gospel. Ingressou depois no conservatório Reveil Du Salut. Depois integrou o grupo de World Music, FTR Music. Em 2010, em São Tomé, fez parte de dois grupos: Banda da Ilha e África Negra. Lançou seu primeiro disco “Stop”, gravado entre Gabão, São Tomé e Congo.

Seu mais recente álbum, o terceiro de sua carreira, “Espoir” (esperança) é uma obra transcultural e autobiográfica. Cantando em português, francês e nos idiomas congoleses Lingala e Kikongo, Yannick fala de temas como racismo, luta e migração através de uma amálgama de ritmos que compõem sua essência pessoal e sonora, como o blues, jazz, Afrobeat Funk, reggae e rumba congolesa.    

 

Domingo,  3/9 - 18h