"O que me encanta desse fazer manual é a alquimia"

16_MANUAL_SouManual_PostAFigurinista_v01.png
 

Tinha uma pedra no meio do caminho. Uma pedra guardiã de muitos significados para a artesã Teka Brajovic, que burlou as vicissitudes dos versos de Carlos Drummond de Andrade ao lapidar objetos em estado bruto. Um processo de amor e dedicação que deu origem à marca A Figurinista.

Formada em História pela Universidade de São Paulo (USP), Teka trabalhou por anos com moda e criação de figurinos para espetáculos teatrais. Mas foi a paixão por pedras que a redirecionou para o fazer manual de bijuterias e joias.

“Sempre gostei do universo da moda, e sempre amei o mundo dos cristais. Trabalhei com upcycling de roupas durante cinco anos, depois, com figurinos e, paralelamente, comecei a fazer uns colares. Vendia na loja de uma amiga, a Garimpo Fuxique, e foi fazendo sucesso”, recorda.

 Foto: Leonardo Sang / Casa Dobra

Foto: Leonardo Sang / Casa Dobra

 

Quando estudei ourivesaria me apaixonei pelo processo criativo que acontece quando se trabalha com o fogo


 
 Foto: Leonardo Sang / Casa Dobra

Foto: Leonardo Sang / Casa Dobra

Alquimia todo dia

Daquele momento em diante, Teka mergulhou em processos manuais e pesquisou diversas matérias-primas. Além disso, fez cursos de ourivesaria até consolidar o ateliê que administra com ajuda de cinco funcionárias. No dia a dia, ela passa por diferentes etapas do fazer manual. “A partir da criação da coleção fazemos pilotos no ateliê. Durante esse processo, muitas vezes as peças se transformam da ideia original. Mas tanto a fundição quanto o polimento e a folheação são terceirizadas. Já a parte final de montagem e cravação volta para o ateliê”, explica.

Designer, mãe e empresária, Teka se mantém inspirada para novas criações quando viaja mundo afora e quando troca de ideias com sua equipe. A partir daí, irrompe o processo de “alquimia”, como ela gosta de chamar, que é o fazer manual de colares, brincos, pulseiras… Peças feitas de materiais e histórias preciosas. “Um trabalho em que cada coleção é um conto”, descreve.

 

Ser manual é fazer com as próprias mãos, com todas as belas imperfeições e improvisações que uma máquina jamais poderá fazer por nós


 
 Foto: Leonardo Sang / Casa Dobra

Foto: Leonardo Sang / Casa Dobra

Foto Teka Brajovic para #soumanual: Naira Mattia
Entrevista: Giovanna Riato
Texto: Maju Duarte
Produção: Rede Manual e Casa Dobra

 
soumanualDani Scartezinisoumanual