Corações para Brumadinho

coletivonalaeameisedesign.jpg
 

No começo de agosto, completam-se 200 dias de busca pelas vítimas do desastre da Mina do Córrego do Feijão da Vale, em Brumadinho. A Barragem 1 se rompeu no dia 25 de janeiro de 2019, quando mais de 10 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério formaram um tsunami de lama que atingiu comunidades de Brumadinho até chegar ao leito do Rio Paraopeba. Um crime que, desde então, nos faz refletir sobre a responsabilidade em nossas escolhas diárias, nossos valores e nossa relação com a natureza e com o ser humano.

Brumadinho é uma cidade muito especial para a REDE MANUAL. Lá, nós fizemos amigos e fomos recebidos com muito carinho em 2016, quando realizamos o MANUAL MECAINHOTIM. Quem esteve conosco nesta edição foi o coletivo naLã, um dos nossos parceiros desde o começo, formado por Priscila Curce e Fernanda Mafra. Dessa relação com a cidade mineira, elas criaram o projeto Corações para Brumadinho com o qual a arte feita à mão busca ajudar os habitantes da região. Como fruto desta ação veio o convite para participarem da customização de cadeiras da Ameise Design que farão parte da Design Weekend, que acontece de 18 a 25/8, no bairro Vila Madalena, capital paulista. A venda destas peças também será destinada à Associação de Amigos de Brumadinho.

Quem compartilha a história de como um novelo de lã pode tecer uma ação de impacto social é a Fernanda Mafra:

CDA9679F-E9B8-4ECF-8CC0-1E013420953A.JPG

Minha relação com Brumadinho teve início em abril de 2016 tendo Inhotim como porta de entrada. Meses depois, foi a vez do naLã desnovelar uma linda história com o encantador museu a céu aberto, lugar onde nossos trabalhos foram oficialmente iniciados por um convite do Mercado Manual para participarmos do Manual Inhotim. Foi lá que nossa história com Brumadinho ganhou forma. E os desdobramentos dessa relação vieram com o tempo.

De lá para cá, minha relação com Brumadinho foi crescendo, extrapolando os portões de Inhotim. Minhas visitas se tornaram rotineiras e anuais. Passei a aprofundar meu relacionamento com a cidade e com as pessoas de lá, transformando o que antes era uma paixão em um amor profundo.

O dia 25 de janeiro de 2019 será uma data que sempre ficará marcada na minha vida. Quando soube do rompimento da barragem e de tantas vidas perdidas, uma tristeza profunda tomou conta de mim, seguida de um sentimento de impotência. Foi quando junto a uma grande amiga, Karina, conseguimos unir forças e recursos entre amigos e familiares, iniciando o projeto O amor em Brumadinho em São Paulo com o intuito de levarmos até a cidade ações que acolhessem de forma respeitosa a dor daquelas pessoas. Tudo de forma leve, delicada e acolhedora.

 

Poderíamos enviar nosso amor através da mesma arte que um dia nos levou até lá


 
63F00150-F8CF-4388-A2BA-5AE42143E508.JPG
B9D40C8E-881A-4F3B-9B5B-1D4AB9AE9D1D.JPG

Dentre tantas ações que nos propusemos a fazer como cartas escritas a mão, Corações para Brumadinho foi uma delas. Proposta encabeçada pelo naLã, na qual mobilizamos um grupo de crocheteiras e crocheteiros de São Paulo que toparam abraçar a missão de produzir centenas de corações de crochê para serem entregues na cidade, pois acreditávamos que poderíamos enviar nosso amor através da mesma arte que um dia nos levou até lá.

Circulo Produtos topou abraçar esta ação desde o início, nos enviando centenas de novelos possibilitando que a ideia tomasse corpo. Encontros foram semanalmente realizados e muitas mãos foram se juntando. Pessoas de outras cidades, de outros estados… E este amor foi se multiplicando através de milhares de corações de crochê que foram levados pessoalmente por nós do naLã até Brumadinho no início de fevereiro.

Corações foram recebidos por bombeiros e centenas de famílias que passaram a usá-los como amuletos, além de uma instalação têxtil criada em uma escola de uma das comunidades atingidas: um grande coração formado por outros pequeninos com a seguinte mensagem: “Nossos corações batem juntos”. Este era o sentimento que queríamos passar através da arte feita à tantas mãos. De que eles não estavam sozinhos.

2A879717-98A8-4D44-B52A-DC1745C2D403.JPG

Desde então, criamos na cidade uma linda relação de amizade e parceria com a Associação Amigos de Brumadinho, formada por moradores, e que segue até hoje na missão de ajudar a reerguer a cidade por ações sociais, cursos de capacitação, reformas de casas em estado precário… Tudo isso com ajuda de doações.

Capture _2019-08-07-19-20-40-1.png

O próximo desdobramento deste movimento é a Design Weekend, para a qual fomos convidados pela Ameise Design, parceiro antigo do coletivo naLã, para nos juntarmos a eles em uma ação em prol de Brumadinho. Serão 10 mini cadeiras Oca, desenhadas pela Luciana Raunaimer, fundadora da Ameise, que estão sendo customizadas através da arte têxtil por diversos nomes do design, da moda e da arte, como Patrícia Bonaldi e Lufe Gomes. Estas peças serão expostas na semana da Design Weekend em um cenário todo feito pelo naLã com a contribuição de tantas outras mãos. Uma forma não só de apoiar o projeto em Brumadinho, como também de celebrar a arte feita å mão.

As mini cadeiras serão colocadas à venda e renda será revertida para a Associação Amigos de Brumadinho. Tudo isso emociona tanto a mim, quanto a Pri, porque o fazer manual proporciona este tipo de conexão. Podemos, da nossa forma, retribuir um pouco de carinho e de solidariedade por meio dessa paixão pelo manual. Uma paixão que nos faz acreditar que essa atividade tem um poder de transformação sobre todos nós.


O fazer manual proporciona este tipo de conexão


 

Texto: Maju Duarte e Fernanda Mafra
Edição: Maju Duarte
Fotos: Coletivo naLã e Ameise Design